Maioria dos estados prevê retorno às aulas presenciais em agosto

<div class="toolkit-image-container media_box full-dimensions677x369">

<div class="toolkit-image-container__edges edges">
<img class="toolkit-image-container__image croppable" src="https://img.r7.com/images/r7rio-062021-escolas-rio-rj-aulas-presenciais-pandemia-29062021124250859?dimensions=677×369" title="Doze estados reabriram escolas após quarentena demandada pelo aumento de casos" alt="Doze estados reabriram escolas após quarentena demandada pelo aumento de casos" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="toolkit-image-container__info content_image" data-dimensions="677×369">
<span class="toolkit-image-container__caption legend_box ">Doze estados reabriram escolas após quarentena demandada pelo aumento de casos</span>
<span class="toolkit-image-container__credit credit_box ">Reprodução/ Prefeitura do Rio</span>
</div>
</div>

<p>
Com a vacinação dos professores e a queda de indicadores da <a href="https://noticias.r7.com/saude/coronavirus" target="_blank"><strong>pandemia</strong></a>, agosto deve marcar um retorno mais amplo das atividades presenciais das redes estaduais de ensino. Até aqui, só 12 estados reabriram as escolas após a quarentena demandada pelo cenário anterior de crescimento das infecções. O ritmo tem sido mais lento do que outras flexibilizações de regras anticovid notadas nas últimas semanas.</p>
<p>
Na rede privada, por outro lado, os alunos já foram liberados para voltar em pelo menos 22 estados e no Distrito Federal.</p>
<p>
Os números são de levantamento feito pela reportagem junto a governos estaduais. Daquelas que ainda não liberaram a volta, dez redes estaduais e a do Distrito Federal pretendem convocar os alunos no próximo mês. Na Paraíba e no Acre, isso está previsto para setembro. Roraima ainda não definiu cronograma de retorno.</p>

<div class="toolkit-card-primary mb-7" data-dp6-item=’vejaTambem’>
<div class="toolkit-card-primary__body">
<h6 class="toolkit-card-primary__title">
Veja também
</h6>
<ul class="toolkit-list d-flex">
<li class="toolkit-card-secondary">
<a href="http://noticias.r7.com/educacao/unicef-15-das-escolas-municipais-adotam-sistema-hibrido-de-ensino-22072021" title="Unicef: 15% das escolas municipais adotam sistema híbrido de ensino">
<img alt="Unicef: 15% das escolas municipais adotam sistema híbrido de ensino" title="Unicef: 15% das escolas municipais adotam sistema híbrido de ensino"
class="toolkit-card-secondary__image" src="https://img.r7.com/images/estudo-ensino-a-distancia-13062020152737690?dimensions=221×126">
<div class="toolkit-card-secondary__hat ">Educação</div>
<h3 class="toolkit-card-secondary__title">Unicef: 15% das escolas municipais adotam sistema híbrido de ensino</h3>
</a>
</li>
<li class="toolkit-card-secondary">
<a href="http://noticias.r7.com/brasil/retorno-as-aulas-presenciais-e-urgente-diz-ministro-da-educacao-20072021" title="Retorno às aulas presenciais é urgente, diz ministro da Educação ">
<img alt="Retorno às aulas presenciais é urgente, diz ministro da Educação " title="Retorno às aulas presenciais é urgente, diz ministro da Educação "
class="toolkit-card-secondary__image" src="https://img.r7.com/images/agencia-brasil-milton-ribeiro-1500-10122020121249281?dimensions=221×126">
<div class="toolkit-card-secondary__hat ">Brasil</div>
<h3 class="toolkit-card-secondary__title">Retorno às aulas presenciais é urgente, diz ministro da Educação </h3>
</a>
</li>
<li class="toolkit-card-secondary">
<a href="http://noticias.r7.com/educacao/parquinhos-sao-usados-como-meio-de-inclusao-nas-escolas-21072021" title="Parquinhos são usados como meio de inclusão nas escolas">
<img alt="Parquinhos são usados como meio de inclusão nas escolas" title="Parquinhos são usados como meio de inclusão nas escolas"
class="toolkit-card-secondary__image" src="https://img.r7.com/images/ciei-anjo-gabriel-09072021115315289?dimensions=221×126">
<div class="toolkit-card-secondary__hat ">Educação</div>
<h3 class="toolkit-card-secondary__title">Parquinhos são usados como meio de inclusão nas escolas</h3>
</a>
</li>
</ul>
</div>
</div>

<p>
O Brasil foi um dos países onde alunos ficaram mais tempo fora dos colégios, fechados inicialmente em março de 2020 para conter a transmissão do vírus. Com isso, educadores estimam graves prejuízos de aprendizagem e socioemocionais aos alunos, sobretudo os mais vulneráveis.</p>
<p>
Na pandemia, especialistas criticaram parte dos gestores, que priorizaram a reabertura de shoppings, bares e igrejas em detrimento das escolas. E o Ministério da Educação (MEC), por sua vez, vem sendo considerado omisso, por falta de apoio às redes na implementação de classes remotas ou preparação dos colégios para a reabertura.</p>
<p>
Em Roraima,um protocolo experimental de retorno gradual deve ser implementado ainda este ano, mas somente após a Vigilância Sanitária informar o balanço de professores vacinados. O retorno presencial total é previsto para 2022.</p>
<p>
Já na rede paulista, por exemplo, as escolas poderão a partir de agosto receber a totalidade dos alunos, se respeitado o distanciamento de um metro entre pessoas. São Paulo foi um dos primeiros a reabrir as salas de aula. As redes estaduais cuidam, na maioria, de alunos das séries finais do ensino fundamental (11 a 14 anos) e do ensino médio – neste caso, como os adolescentes estão no fim do ensino básico, o pouco tempo para recuperar o conteúdo até o fim do ciclo é um desafio.</p>
<p>
"Queremos que quando os alunos voltem, encontrem um ambiente muito melhor", diz a diretora do Departamento de Educação Básica de Roraima, Raimunda Rodrigues, citando reformas nas escolas e lembrando de perdas diversas durante a pandemia. Mesmo com a vacinação liberada aos profissionais da educação, a gestora informa que campanhas serão necessárias para atrair o público mais resistente.</p>
<p>
No 3º ano do ensino médio na rede roraimense, Beatriz Eduarda Sousa, de 18 anos, recorreu a aulas de reforço e pré-vestibular para tentar o sonho: uma vaga em psicologia na universidade federal. "Foi muito difícil e ainda está sendo, pois nós alunos nunca tivemos o costume de ter aulas online", conta ela, de Boa Vista.</p>

<div class="toolkit-card-primary mb-7" data-dp6-item=’leiaTambem’>
<div class="toolkit-card-primary__body">
<h6 class="toolkit-card-primary__title">
Leia também
</h6>
<ul class="toolkit-list">
<li class="toolkit-list__item toolkit-list__item–primary">
<a class="toolkit-list__link" href="https://noticias.r7.com/aprendizado-remoto-foi-insuficiente-dizem-especialistas-22072021">
Aprendizado remoto foi insuficiente, dizem especialistas
</a>
</li>
<li class="toolkit-list__item toolkit-list__item–primary">
<a class="toolkit-list__link" href="https://noticias.r7.com/educacao/sp-anuncia-investimento-de-r-300-milhoes-para-o-novo-ensino-medio-20072021">
SP anuncia investimento de R$ 300 milhões para o novo ensino médio
</a>
</li>
<li class="toolkit-list__item toolkit-list__item–primary">
<a class="toolkit-list__link" href="https://noticias.r7.com/educacao/fotos/como-estudar-em-universidades-dos-eua-sem-sair-de-casa-21072021">
Como estudar em universidades dos EUA sem sair de casa
</a>
</li>
</ul>
</div>
</div>

<p>
"As maiores dificuldades que senti foram os desânimos, medos e com certeza a ansiedade. Querendo ou não, sair de casa e ir para a aula ajudava na hora das provas, de tirar dúvidas, diz a jovem, que destaca o privilégio de os pais poderem pagar cursos extras. Ela também começou a trabalhar em uma academia para ajudar nos gastos.</p>
<p>
Alunos com mais recursos, em geral, retornaram à sala de aula mais cedo em várias regiões. A rede do Piauí prevê regresso presencial em agosto, mas unidades privadas adotaram o ensino híbrido em janeiro. A rede potiguar também planeja voltar no mês que vem, enquanto as particulares retomaram ainda em 2020.</p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Sete capitais ainda não têm previsão de retorno
</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
Até julho, apenas 13 capitais já haviam retornado parcialmente às atividades presenciais de suas redes de ensino. Entre aquelas que optaram por atividades remotas, quatro pretendem voltar à escola em agosto, três em setembro e sete permanecem sem previsão de retorno. As redes municipais atendem, na maioria, as séries iniciais do ensino fundamental (6 a 10 anos) e a educação infantil (creche e pré-escola), justamente os alunos que têm mais dificuldades de acompanhar aulas online.</p>
<p>
Belo Horizonte, por exemplo, iniciou o retorno da educação infantil em maio, após quase 12 meses de creches fechadas. A partir disso, fez a liberação gradativa das séries seguintes, mas alunos do 6º ao 9º ano voltam só em 5 de agosto.</p>
<p>
Outras capitais decidiram por retorno mais tardio. É o caso de Rio Branco, que pretende retomar depois que todos os professores tomarem a 2ª dose da vacina, o que acontecerá na 2ª quinzena de setembro. Como Rio Branco, Belém e Aracaju também estimam o retorno das atividades presenciais em setembro. No caso da capital do Sergipe, a abertura de colégios particulares também não foi liberada.</p>
<p>
Maceió, por outro lado, segue sem previsão de regresso. Os docentes da rede devem receber a 2ª dose da vacina na 2ª semana de agosto, mas a Secretaria de Educação informa que as aulas presenciais voltarão quando houver segurança tanto para trabalhadores, como para estudantes.</p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Evasão e acolhimento são pontos de alerta
</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
"Todas as evidências levantadas até o momento, seja no Brasil ou no exterior, demonstram que os estudantes deixaram de aprender durante a pandemia", diz Alexandre Schneider, pesquisador do Centro de Estudos em Política e Economia do Setor Público da FGV.</p>
<p>
Para o ex-secretário municipal de Educação de São Paulo, o modelo remoto não substitui perfeitamente o presencial, sobretudo no ensino básico. É preciso considerar o "elevado contingente de crianças e adolescentes que vivem em condições precárias, sem internet, sem dispositivos eletrônicos ou mesmo um lugar adequado para estudar".</p>
<p>
Há o risco, acrescenta ele, "de ampliação da evasão escolar dada a desconexão de um grande contingente de estudantes de suas escolas no período". Segundo Schneider, serão necessárias políticas educacionais e também de apoio, como recuperação de conteúdos e acolhimento.</p>

<div class="media_box embed video_box full-dimensionsundefined" data-name="r7">

<iframe src="https://player.r7.com/video/i/60f982c41df97bf159000846" width="640" height="360" frameborder="0" loading="lazy" allowfullscreen></iframe>
</div>

<p>
Anna Helena Altenfelder, presidente do Cenpec Educação, diz que a situação nas redes municipais é ainda mais preocupante. "Falta coordenação nacional, que deveria ser feita pelo MEC", avalia. Ela analisa que a demora no retorno presencial às aulas se deve, principalmente, à falta de planejamento de estados e municípios e ao atraso da vacinação em todo País.</p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Ceará realiza avaliação para mensurar impacto da suspensão das aulas</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
A rede cearense, que agenda o retorno presencial para agosto, vai colocar em curso uma estratégia de avaliação diagnóstica, apontada por especialistas como essencial para identificar as principais defasagens e grupos mais prejudicados.</p>
<p>
Parceria entre a Secretaria da Educação e a Universidade Estadual (Uece) prevê uma avaliação amostral em todas as 184 cidades cearenses, com turmas do 5º ao 9º anos do ensino fundamental e o 3º do médio.</p>
<p>
A aplicação segue métricas de diagnóstico em larga escala, como as do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), organizado pelo MEC. Com isso, os resultados poderão ser comparados com a série histórica.</p>
<p>
Conforme Jorge Lira, cientista chefe da Educação do Estado, a amostra considera, por exemplo, o nível socioeconômico do aluno, tipo e modalidade da escola, localidade, gênero dos respondentes. "O Ceará ganha autonomia com produtos pedagógicos para um novo horizonte de práticas pedagógicas. Começar a personalizar e acompanhar mais de perto o aluno ou grupos de alunos, principalmente respeitar as diferenças", pontua.</p>
<p>
As aplicações já foram finalizadas com o ensino médio e último ano do ensino fundamental. No 5º ano está sendo aplicado. Detentora da maior rede de ensino do estado, Fortaleza só deve aplicar as avaliações em agosto ou setembro.</p>

<div class="media_box embed video_box full-dimensionsundefined" data-name="youtube">

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/lQ08SiM45Nk" title="YouTube video player" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>
</div>

<p>
Secretária executiva do Ensino Médio e Profissional da pasta cearense da Educação, Jucineide Fernandes afirma que as atividades letivas dos próximos meses serão orientadas conforme o que for observado nos testes. "No 2º semestre, agiremos no sentido de propor ações e estratégias para a rede com o objetivo de garantir as aprendizagens essenciais a todos os estudantes que concluam a educação básica", ressalta.</p>
<p>
Após fazer avaliação diagnóstica própria em sua rede, o governo de São Paulo afirmou estimar 11 anos para recuperar a aprendizagem perdida em Matemática durante a pandemia nos anos iniciais do ensino fundamental. Alunos do 5.º ano da rede estadual perderam habilidades que já haviam adquirido, mostram os resultados do teste. Hoje, um aluno de 10 anos tem desempenho pior do que ele mesmo tinha quando estava com 8 anos. A secretaria paulista elaborou um projeto de recuperação de aprendizagem, com contratação de mais professores para reforço escolar.</p>
Source: R7 Bahia
{$inline_imageX}

Estudante de Cinema da UFRB conquista premiação no Festival de Cannes

O estudante de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Rodrigo Ribeyro, conquistou o terceiro lugar da mostra competitiva reservada a estudantes, a Cinéfoundation, da 74ª edição do Festival de Cannes, com o curta-metragem “Cantareira”. 

Responsável pelo roteiro, direção, montagem e até desenho de som da obra, Rodrigo Ribeyro estava entre os 17 finalistas, dentro de um universo de 1.835 inscritos integrados a 490 escolas de cinema. O curta foi produzido como trabalho de conclusão de curso da Academia Internacional de Cinema.

Rodrigo recebeu com surpresa o anúncio da conquista do terceiro lugar. “Primeiro, parabenizo a equipe e o elenco pelo feito. Só a coletividade torna isso possível. Fico muito feliz com esse terceiro lugar na Cinéfondation aqui em Cannes. A representatividade desse prêmio é o que mais importa, principalmente em se tratando de uma competição entre filmes majoritariamente europeus ou oriundos de outros países desenvolvidos”, explicou Rodrigo Ribeyro.

Enredo

O filme de Rybeiro tem por mote a Serra da Cantareira (ao norte paulistano) e questões ambientais ligadas ao embate entre o meio rural e a metrópole. O atrativo da natureza promete influenciar decisões fortes de um jovem deslocado na cidade grande.

Em 23 minutos de duração, a obra mostra a história de Bento e Sylvio, neto e avô respectivamente, ambos com raízes profundas na Serra da Cantareira, mas em momentos diferentes de vida. Bento, trabalhador e morador do centro de São Paulo, decide voltar ao lugar onde cresceu, a casa do avô Silvio, buscando não somente a paz, mas também um emprego.

Trajetória

Em 2017, Rybeiro estreou com o curta híbrido “Entrevista com o grande diretor Rodrigo Bok”, que se utiliza de imagens reais de circuito de segurança para retratar um roubo enquanto insere a ficção através de uma falsa entrevista com seu alter ego.

No primeiro semestre de 2019, filmou “Cantareira”, seu projeto de conclusão de curso da Academia Internacional de Cinema de São Paulo. Seu próximo projeto foi desenvolvido na Amazônia, aonde filmou o curta documental “Antes do Çairé”, que retrata a vida dos catraieiros (remadores) e dos ritos religiosos de Alter do Chão, em Santarém, no Oeste do Pará, nos dias que antecedem o início da maior festa local. Lá, também filma o clipe da faixa “Subjetivo Objetivo”, do duo experimental “Em Coma Sintético”.

Durante a pandemia do coronavírus, Rodrigo Rybeiro se dedica à produção de curtas experimentais, como é o caso de “O Retorno do Meu Vô” e à escrita de alguns roteiros, entre eles “O Vento”, um curta metragem, e “Minerva”, seu primeiro projeto de longa-metragem.

cannes0
Rodrigo Ribeyro à direita (crédito: Mathilde Gardel/Divulgação).

Com informações da Academia Internacional de Cinema.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

UFRB seleciona voluntários de extensão para atuarem em programa de comunicação

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), por meio das suas Pró-Reitoria de Extensão (PROEXT) e Assessoria de Comunicação (ASCOM), seleciona voluntários para atuarem no “Programa de Formação em Comunicação”. Podem se candidatar estudantes de graduação dos cursos de bacharelado em Artes Visuais, Cinema e Audiovisual, Jornalismo e Publicidade e Propaganda, qualificados na área de produção audiovisual.

As inscrições estão abertas até o dia 26 de julho e deverão ser realizadas pelo formulário de inscrição online (é necessário ter e-mail institucional @aluno.ufrb.edu.br para o preenchimento). Os interessados devem estar cursando entre o segundo e o sétimo semestre do curso, ter escore de desempenho acadêmico igual ou superior a 5,0 e ter disponibilidade para cumprir a carga horária de 10 horas semanais.

A seleção terá duas etapas: análise de documentação e prova prática; e entrevista. As entrevistas acontecerão nos dias 02, 03 e 04 de agosto, via Google Meet. O resultado final da seleção será divulgado até o dia 05 de agosto, no site da PROEXT.

Serão concedidas quatro vagas de voluntário extensionista. O período de vigência do voluntariado será de 06 de agosto a 31 de dezembro de 2021, podendo ser renovado de acordo com a necessidade da equipe gestora. Os estudantes selecionados terão direito a certificação de atividades de extensão ao final do período previsto.

Sobre o programa

O Programa de Formação em Comunicação da UFRB tem o objetivo de implantar/integrar projetos e ações de extensão universitária na área temática da comunicação, enquanto processo educativo, artístico, cultural e científico, que articula as atividades acadêmicas e viabiliza a relação transformadora entre a Universidade e os diversos setores da sociedade.

Univerciência

O Programa de Formação em Comunicação da UFRB é responsável pela produção de conteúdos para o Univerciência, o primeiro programa brasileiro de TV aberta e Internet produzido em parceria entre universidades públicas e TVs públicas nordestinas, com foco na promoção, na popularização e na difusão da ciência. Na Bahia, o programa vai ao ar pela TVE aos sábados, às 14h30, com horários alternativos às segundas-feiras, às 20h, e quartas-feiras, às 7h30. Na TV UFRB é exibido nas segundas, às 10h.

Confira o Edital Nº 06/2021 – Seleção Voluntários de Comunicação.

Mais informações: ufrb.edu.br/proext/selecoes.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

Estudante da UFRB desenvolve calculadora para operações vetoriais passo a passo

O estudante do curso de Bacharelado em Ciências Exatas e Tecnológicas (BCET) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Carlos Pedro de Oliveira dos Santos, desenvolveu um aplicativo que auxilia em cálculos para várias operações vetoriais.

O aplicativo recebeu o nome de Calculadora Problematika. O link de acesso ao aplicativo é https://github.com/iCarlosCode/Problematika.

Entre os cálculos possíveis com o aplicativo estão o de formar um vetor a partir de dois pontos; calcular o produto vetorial; calcular o produto escalar; calcular produto misto; somar coordenadas; e subtrair coordenadas.

Todas essas operações apresentam explicações passo a passo no lado direito da calculadora, para auxiliar os alunos a aprenderem como realizar as operações. Carlos conta que essa é mais uma ferramenta para auxiliar no ensino da matéria de Geometria Analítica.

A Calculadora é gratuita e pode ser baixada no seu repositório no GitHub. Segundo Carlos Santos, por enquanto, ela está disponível somente para Windows.

{youtube}a2GDxnurZtE{/youtube}

Source: UFRB
{$inline_imageX}

Manchas de óleo no Nordeste, identificação do cio da vaca, e sistema óptico no Univerciência

{youtube}Anda2A2mQO4{/youtube}

Neste sábado (17) o Univerciência vai mostrar uma pesquisa sobre o sequenciamento genômico do coronavírus e o desenvolvimento de método mais apurado de identificação do cio da vaca, através da medição do consumo de alimento. O programa destaca ainda um projeto de combate aos efeitos das manchas de óleo no Nordeste, e o desenvolvimento de sistemas inteligentes de monitoramento de dutos de transporte de gás. No ar pela TVE aos sábados, às 14h30, o programa tem horários alternativos às segundas-feiras, às 20h, e quartas-feiras, às 7h30

O coronavírus mudou a vida das pessoas nos últimos tempos. De lá pra cá, muitos são os esforços dos cientistas para entender o que é o vírus, como ele se comporta e como combater a pandemia. Após mais de um ano, os registros de reinfecção levaram cientistas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) a estudar o sequenciamento genômico do vírus. O monitoramento de variantes do SARS-CoV-2 representa uma estratégia necessária para as medidas de vigilância epidemiológica e tratamento da doença.

Um cientista da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), junto com parceiros da Embrapa Gado de Leite, a Universidade de Wisconsin-Madison (Wisc), nos Estados Unidos, e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), desenvolveu uma pesquisa que consegue identificar, de forma antecipada, o cio da vaca. O estudo é uma evolução na questão, uma vez que entre as diferentes técnicas utilizadas nesse processo, a mais tradicional é a observação visual, passível de falha, podendo comprometer a eficiência reprodutiva e contribuir para altas taxas de descarte de vacas e novilhas. A partir do conhecimento de que o cio causa redução no consumo e comportamento alimentar, o estudo mostrou que, antes de entrar no cio, as vacas consomem entre 25% e 35% menos água e alimentos.

Para combater os danos causados pela presença de resíduos químicos provenientes da tragédia ambiental que manchou de óleo o litoral dos nove estados do Nordeste e dois do Sudeste (Rio de Janeiro e Espírito Santo), dois ex-alunos da Universidade Federal da Bahia (Ufba) criaram o Bioação Garapuá, e se uniram a um time de cientistas do Instituto de Geociências e da Escola Politécnica da UFBA, do Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá) e da Associação de Moradores do local, com apoio do Fundo Socioambiental CASA. O projeto busca reflorestar os manguezais por meio da fitorremediação, processo no qual plantas nativas da região são introduzidas no ambiente para acelerar o processo de degradação de resíduos químicos.

Na Universidade Federal do Ceará (UFC), os cientistas trabalham no desenvolvimento de um sistema sensorial óptico para o monitoramento de dutos de transporte de gás natural. Os sistemas ópticos são compostos por sensores de fibra ótica, com diâmetro próximo ao de um fio de cabelo, que são imunes a interferências de campos eletromagnéticos, podendo ser empregados para aplicações de longa distância. Através de um edital lançado pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP), o grupo teve a oportunidade de adaptar o sistema baseado em sensores óticos para a manutenção de uma rede de 200 km de gasodutos da companhia de gás do estado.

O programa Univerciência tem a participação de instituições de todos os estados nordestinos a partir da parceria entre as universidades e televisões públicas da região. A produção do conteúdo é colaborativa e a veiculação acontece em TV’s públicas, educativas, culturais e universitárias, e nos canais das emissoras e das universidades na Internet.

Onde assistir

Sábado, 17/07, às 14h30, no canal do Youtube da TVE.

Segunda, 19/07, às 10h, no canal do Youtube da TV UFRB.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

CGU disponibiliza pesquisa para servidores da UFRB avaliarem Integridade Pública

Doze perguntas intuitivas constituem o formulário da Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção da Controladoria-Geral da União (CGU) para avaliar os Programas de Integridades dos órgãos e entidades do Poder Executivo Federal, dentre eles, a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Na UFRB, o Plano de Integridade foi aprovado pela Portaria nº 796/2020.

O Programa de Integridade é um conjunto de medidas e ações institucionais destinadas à prevenção, à detecção, à punição e à remediação de fraudes, desvios éticos e atos de corrupção. Ele é operacionalizado a partir de um Plano de Integridade de cada órgão, com o objetivo de viabilizar a observância das diretrizes para integridade institucional e fortalecer a temática.

Para participar da pesquisa, o servidor da UFRB deve acessar o questionário on-line e enviar as respostas, o que pode levar até 1 minuto. O prazo final da pesquisa é dia 23 de julho de 2021.

A pesquisa desenvolvida e coordenada pela CGU busca coletar dados acerca da percepção dos servidores sobre o programa de integridade da instituição e demais atividades relacionadas à integridade pública.

Os resultados serão utilizados para a avaliação da implementação dos programas de integridade no Governo Federal.

O movimento em prol da construção da integridade no serviço público busca entre outras coisas inibir práticas lesivas ao patrimônio público. 

Mais informações em https://www.ufrb.edu.br/proplan/integridade-publica.

Responda a pesquisa em https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=_tl4ZiEJfUGEEV8cGN77u8rakwBKcrdKq74KLKV4XA9UOFE5VFhJSTJRMTdSTVcyNU1KRENHUlE5NS4u.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

Aluna da UFRB ganha Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq

A estudante de Agronomia da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) Rebeca Santisma de Jesus Almeida foi a ganhadora da Categoria Bolsista de Iniciação Tecnológica, na área de Ciências da Vida, da 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica, promovido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com o trabalho intitulado: “Uso da tecnologia como ferramenta para a identificação de insetos”.

Atribuído anualmente, o objetivo do prêmio é reconhecer os bolsistas de iniciação científica e tecnológica que se destacaram durante o ano sob os aspectos de relevância e qualidade do seu relatório final, bem como as instituições participantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), que contribuíram de forma relevante para o alcance dos objetivos do Programa.

O anúncio dos vencedores da premiação aconteceu na última sexta-feira, dia 9. Como prêmio Rebeca Almeida vai receber o valor bruto de R$ 7.000,00 (sete mil reais), com dedução do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), nos valores explicitados, conforme legislação da Receita Federal; uma bolsa de Mestrado ou Doutorado, no país; e uma passagem aérea e hospedagem para permitir a participação dos agraciados na 73ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a ser realizada em 2021.

Rebeca Almeida é bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBIT), vinculada ao Grupo de Pesquisa Insecta do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas (CCAAB), em Cruz das Almas, sob a orientação da professora doutora e pesquisadora Geni da Silva Sodré e da co-orientação da doutoranda e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Ana Catia Santos da Silva.

Trabalho de Rebeca

O trabalho de Rebeca Almeida consiste em um software nomeado “The Insects” composto com uma chave dicotômica eletrônica para identificação das principais Ordens de insetos presente em cultivos de orquídeas. Contendo também um menu com diversos botões, os quais direcionam os usuários as telas contendo a chave de identificação, como coletar e conservar os insetos, principais pragas, dicas de como combater e controlar estas pragas, referências bibliográficas e a opção sair. “O aplicativo poderá ser utilizado na identificação taxonômica de insetos presentes na plantação de orquídeas, contribuindo com informações científicas e tecnológicas de fácil acesso, necessárias para o estudo entomológico”, explica a orientadora Geni da Silva Sodré, mestre e doutora em Entomologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Segundo Geni, as informações contidas no aplicativo são relevantes para outras culturas. “Muitos insetos têm importância agrícola, causando grandes perdas econômicas, a referida tecnologia pode ser desdobrada para insetos considerados pragas de outras culturas agrícolas de importância econômica”.

A professora Geni destaca que o uso de tecnologia para identificação de insetos associados ao cultivo de orquídeas até o momento era inexistente. “Deste modo, o nosso aplicativo é inovador e traz informações científicas relevantes sobre esses insetos de forma fácil e gratuita”. Ela considera que a conquista da premiação científica dará mais visibilidade a UFRB.

Para o Grupo de Pesquisa Insecta, a premiação “mostra que estamos no caminho certo, são quase 30 anos de ensino e pesquisa com grandes conquistas acadêmicas. O Insecta tem como pilar o trabalho em equipe, contribuindo com a formação científica e tecnologia de cada integrante. Outro ponto que levamos em consideração é a interação entre alunos de graduação e pós-graduação. A conquista dessa premiação vem como motivação para que outros alunos engajem-se na pesquisa científica e tecnológica”, destaca a pesquisadora.  

Resumo

“O uso de aplicativos por meio de dispositivos móveis tem se tornado uma realidade para a educação, principalmente com o uso de smartphone o qual vem sendo utilizado como ferramenta tecnológica no processo de ensino- aprendizagem na agricultura. Nesse sentido, o objetivo do trabalho foi desenvolver um software nomeado “The Insects” e elaborar uma chave dicotômica eletrônica inclusa no aplicativo para identificar as principais Ordens de insetos presente em cultivos de orquídeas localizados em municípios do estado da Bahia. A plataforma utilizada para desenvolver o aplicativo foi o Android studio.

Esta ferramenta permite que programadores desenvolvam aplicativos para o sistema operacional Android, deste modo, está programação é feita utilizando a linguagem de programação Java, podendo ser facilmente instalado em sistemas operacionais Windows, Mac ou Linux. Esse aplicativo tem como principal finalidade auxiliar na identificação taxonômica de insetos coletados em cultivo de orquídeas, sendo uma ferramenta gratuita, para ser utilizada na identificação dos insetos em nível de Ordem.

Dessa forma, o aplicativo é composto por um menu contendo diversos botões, os quais direcionam os usuários as telas contendo a chave de identificação taxonômica eletrônica, como coletar e conservar os insetos, principais pragas identificadas nos orquidários analisados, dicas de como combater e controlar estas pragas, referências bibliográficas e a opção sair. Ressalta-se que o App encontra-se em processo de atualização, sendo inseridas informações relevantes, para posteriormente ser validado e publicado na plataforma Play Store.

O aplicativo poderá ser utilizado como ferramenta na identificação taxonômica de insetos presente na plantação de orquídeas, contribuindo com informações científica e tecnológica de fácil acesso, necessárias para o estudo entomológico”.

Mais sobre o Grupo de Pesquisa Insecta em: www2.ufrb.edu.br/insecta.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

UFRB e parceiros realizam pesquisa sobre uso do oxigênio no contexto da COVID-19

Pesquisadores de universidades baianas, dentre elas a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), publicaram artigo Oxigênio no contexto da Covid-19: O que sabemos sobre a molécula que respiramos e o papel central da química, na última edição da Revista Química Nova, o mais importante periódico científico, em língua portuguesa do Brasil e da América Latina.

O artigo apresentou uma importante revisão literária sobre a química do gás oxigênio para uso hospitalar em intubação nos casos mais graves de tratamento da COVID-19. A ausência do oxigênio hospitalar provocou mortes em Manaus e desabastecimento em cidades do Norte e Nordeste, e trouxe a molécula do oxigênio – O2 – para o centro das preocupações da sociedade, naquele período anterior a vacinação em massa contra o novo coronavírus.

O artigo apresenta uma “sistematização de uma série de informações técnicas e científicas sobre o oxigênio, tais como produção industrial e emprego em saúde, e como se dá a mensuração da sua concentração na corrente sanguínea, procurando assim contribuir para a melhor compreensão do tema, proporcionando mais conhecimento geral sobre o oxigênio no contexto da COVID-19, somando-se ao empenho da comunidade química brasileira na disseminação de informações científicas no âmbito da pandemia, em particular sobre a molécula que respiramos”.

O artigo faz uma análise sobre o processo de tomada de decisões governamentais para tornar mais célere as ações por parte das entidades públicas de saúde, bem como uma gestão mais adequada dos recursos financeiros, envolvidos na produção de gás hospitalar, para responder com eficiência as necessidade de urgência como a apresentada no transcurso da crise de tratamento hospitalar do COVID-19.

O segundo aspecto da discussão do artigo diz respeito à química como ciência central nas medidas de combate e mitigação da pandemia, que envolve conhecimentos sofisticados da química de substâncias estruturalmente complexas, como os presentes no reposicionamento de fármacos, cujas estruturas químicas só podem ser lidas e interpretadas por um profissional da área, e no desenvolvimento de vacinas nas quais a química está presente, entre outros aspectos, na compreensão das interações entre os constituintes das vacinas e as moléculas receptores presentes no organismo.

Todavia, conhecimentos clássicos ensinados na graduação também estão envolvidos, como os presentes na produção de materiais para máscaras e protetores faciais, na produção de agentes sanitizantes (sabões, detergentes, soluções de sais quarternários de amônio, soluções alcoólicas 70% e álcool em gel), e mesmo na produção de uma substância tão simples, elementar e natural como a molécula do gás oxigênio, mas essencial no contexto da pandemia da COVID-19.

“Da ciência básica à engenharia, fica evidente o papel da química como ciência central e pluridisciplinar para atender demandas em saúde pública, sendo necessário um contínuo investimento nesse campo do saber tão primordial para o desenvolvimento da sociedade e que tanto contribui para o bem-estar da humanidade”, concluem os pesquisadores.

O artigo foi produzido em colaboração entre o Grupo de Pesquisa em Físico-Química Orgânica, instalado no Centro de Formação de Professores (CFP) da UFRB, coordenado pelo professor doutor Rodrigo De Paula, o Grupo de Pesquisa em Síntese de Fármacos/Departamento de Ciências da Vida, da UNEB em Salvador, e o Grupo de Pesquisa em Síntese Química Sustentável e Aplicada, liderado pelo professor doutor Sílvio Cunha, do Departamento de Química Orgânica da UFBA, em Salvador.

O periódico Química Nova é avaliado com a nota Qualis A4 na CAPES. O artigo publicado no Volume XY, Número 00, 1-11, 200 e pode ser acessado em http://static.sites.sbq.org.br/quimicanova.sbq.org.br/pdf/AG2021-0129.pdf ou http://dx.doi.org/10.21577/0100-4042.20170795.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

UFRB oferta 190 vagas para cursos de graduação em Educação do Campo

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) divulga a abertura de processo seletivo com 190 vagas para os cursos de Educação do Campo com Habilitação em Ciências Agrárias (Licenciatura), no Campus Amargosa; e de Educação do Campo com Habilitação em Matemática (Licenciatura) e Educação do Campo com Habilitação em Ciências da Natureza (Licenciatura) e Alimentos – Educação do Campo (Tecnólogo), no Campus Feira de Santana. As aulas terão início em 01 de novembro próximo e correspondem ao semestre 2021.1.

As inscrições para os interessados acontecem no período de 13 de julho até 16 de agosto, no endereço eletrônico de Processos Seletivos da UFRB: ufrb.edu.br/prosel.

Os interessados devem ser pessoas que tenham concluído o ensino médio ou equivalente, e que preferencialmente, estejam enquadradas em uma das seguintes situações: Ser professor em exercício na educação básica em escolas do campo, que não possua formação inicial ou adequada, de acordo com a Lei 9394/1996; e/ou que resida e/ou exerça atividades no campo ou pertença aos povos do campo.

Os cursos de graduação da Educação do Campo da UFRB são ofertados em regime de alternância, na modalidade presencial, constituído por dois momentos de formação: o Tempo Universidade (TU) e o Tempo Comunidade (TC), com atividades concentradas e organizadas em calendário próprio para a integralização curricular, de acordo com o tempo de duração do curso.

Processo seletivo

O processo seletivo será constituído por uma prova em formato digital, de caráter eliminatório e classificatório, para todos os cursos, que será realizada através da Plataforma Ambiente Virtual de Aprendizagem da UFRB (AVA Acadêmico), no dia 28 de agosto próximo.

A prova digital consistirá em um texto argumentativo visando destacar a relação e histórico do candidato com o campo e seu interesse em relação ao curso de graduação da Educação do Campo escolhido.

O resultado da 1ª chamada acontece no dia 10 de setembro.

Confira o Edital Nº 21/2021 de 09 de julho de 2021.

Mais informações em ufrb.edu.br/prosel.

Source: UFRB
{$inline_imageX}

UFRB seleciona professores e tutores para curso de especialização a distância

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) anuncia dois processos seletivos distintos para contratação de professores e de tutores para o curso de Especialização em Educação e Tecnologias Digitais, na modalidade a distância, do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB). São oferecidas sete vagas para professor e seis para o cadastro de reserva de tutor.

Seleção de Professores

A exigência do edital para contratação de professor é de que o postulante seja professor da carreira do magistério superior na UFRB; possua titulação em curso de Pós-graduação Stricto Sensu reconhecido pelo Ministério da Educação na área do componente optado; possua experiência de docência no componente optado; possua, no mínimo, um ano de exercício docente em Ensino Superior; e não esteja recebendo bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

O candidato selecionado receberá a título de bolsa da Universidade Aberta do Brasil (UAB) como Professor Formador I, no valor de R$ 1.300,00 (Hum mil e trezentos reais) concedido para atuação em atividades típicas de ensino, participantes de projetos de pesquisa e de desenvolvimento de metodologias de ensino na área de formação inicial e continuada de professores de educação básica no âmbito do Sistema UAB, sendo exigida formação mínima em nível superior e experiência de três anos no magistério superior; ou como Professor Formador II, no valor de R$ 1.100,00 (Hum mil e cem reais) concedido para atuação em atividades típicas de ensino, de desenvolvimento de projetos e de pesquisa, relacionadas aos cursos e programas implantados no âmbito do Sistema UAB, exigida formação mínima em nível superior e experiência de um ano no magistério superior.

Os candidatos convocados deverão ter disponibilidade de 20 (vinte) horas semanais para desenvolver as atividades a distância e na sede da Superintendência Educação Aberta e a Distância da UFRB, em Cruz das Almas.

As inscrições acontecem até 14 de julho, no endereço ufrb.edu.br/ead.

Seleção de Cadastro de Reserva de Tutores

Para o processo seletivo de tutoria serão disponibilizadas em caráter de cadastro reserva seis vagas para atuação nos ambientes virtuais de aprendizagem e nos polos de Feira de Santana, Amargosa, Rio Real, Valença e Itabuna. O processo seletivo destina-se a prover uma vaga para cada grupo de 25 alunos distribuídos nos polos. As inscrições ocorrem até 14 de julho, no endereço ufrb.edu.br/ead/.

O tutor de Polo Presencial receberá uma bolsa no valor de R$ 765,00 (setecentos e sessenta e cinco reais), concedido para atuação em atividades típicas de ensino, participantes de projetos de pesquisa e de desenvolvimento de metodologias de ensino na área de formação inicial e continuada de professores de educação básica no âmbito do Sistema UAB, sendo exigida experiência de um ano no magistério básico ou superior e não estar recebendo bolsas CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Confira os editais:

Edital SEAD Nº 07/2021 – Seleção de Profissionais para Atuar como Professor no curso de Especialização em Educação e Tecnologias Digitais.

Edital CECULT Nº 06/2021 – Seleção de cadastro reserva de tutores a distância do curso de Especialização em Educação e Tecnologias Digitais.

Mais informações sobre a seleção de professores pelo e-mail midias@sead.ufrb.edu.br.

Mais informações sobre a seleção de tutores exclusivamente pelo e-mail edu.tecnologiasdigitais@cecult.ufrb.edu.br.

Source: UFRB
{$inline_imageX}